02/12/2014

Um novo olhar

E para quem não sabe, participei pela primeira vez de uma feira de artesanato aqui em Vitória no ES, a ArteSanto, expondo meus acessórios (colares e brincos). Confesso que foi uma experiência muito bacana, não só pelas vendas, mas por conhecer pessoas muito interessantes e além disso, a troca de experiência é fantástica. Isso foi fundamental para uma nova visão.

A única coisa que me surpreendeu foi o fato de perceber o descaso de algumas pessoas que transitaram pela feira. Algumas super simpáticas, educadas e dispostas a dar uma boa tarde ou boa noite, mas outros, meu Deus! Um descaso total. 
Percebi que algumas realmente se sentem com uma áurea mais elevada e tratam, no caso, o artesão como uma pessoa mínima, como se não houvesse uma vida fora dali.
Acho que não importa o que a pessoa vende ou mesmo se está ligada nas tendências do próximo verão, mas para mim, o tratamento tem que ser o mesmo, não importando a imponência do stand de venda ou se a pessoa é graduada... A verdadeira essência deveria ser o trabalho em si.

No momento, estou na fase do crochê e faço uma junção das linhas com peças de metais. Para isso, fiz uma breve pesquisa para acompanhar o segmento do momento, mas mesmo assim, algumas pessoas fizeram pouco do tão glorioso #crochê, perguntando se ele tinha voltado. Eu tinha levado a última edição da revista Vogue para deixar no balcão e para mostrar que o crochê está com tudo. Apenas mostrei a página e fiquei feliz em poder esclarecer que ele está de volta.  Só estou querendo dizer com isso é que a superioridade de alguns transbordam e querem mostrar a sua imponência perante àquele que está ali para mostrar seu trabalho.
Matéria da revista Vogue
 

Fico feliz e grata por saber que ainda existem pessoas dispostas a usar as palavras mágicas e olhar nos olhos do outro, afinal, somos seres humanos.
 Claro que existem diferenças culturais, sociais e raciais, mas no fundo o coração pulsa e requer um mínimo de atenção e carinho. 
Valeu a pena, pois as pessoas queridas e amadas superaram e elevaram o momento.
Apenas triste em saber que isso ainda existe. Independente do segmento.

4 comentários:

  1. Terezinhha, essas coisas nem deviam mais nos surpreender,. mas ficamos chateados mesmo! Há quem se "ACHE" Pena!!

    Mas ainda bem , outras são educadas e nos alegram. Valeu a feira, então! bsj,chica

    ResponderExcluir
  2. Priscila Ferreira02/12/2014 15:32

    Pude perceber com você esse descaso, ás vezes as pessoas fingiam que nem ouviam, não custa dar um sorriso, e um bom dia.. mas a feira foi um sucesso! Parabéns pela dedicação, os trabalhos são lindos e foram muito elogiados, alegres, delicados, coloridos!

    Parabéns por mais essa conquista!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Priscila Ferreira02/12/2014 15:33

    Ahhh, o melhor foram as 2 menininhas, que ofereceram flores com a mensagem Gentileza gera Gentileza. Feliz em saber que cresce na humanidade pessoas lindas!

    ResponderExcluir
  4. Ah, Teresinha não releve estas coisas, dos "grávidos reais".
    Eles estão espalhados por todos os cantos e feiras.
    Lindas peças de sua arte e legal esta volta do Crochê como ilustrado na revista.
    Linda semana Teresinha e que Dezembro nos proporcione momentos de paz e alegria com a família, como recarga para 2015 com novos sonhos.
    Meu terno abraço amiga.
    Bju

    ResponderExcluir

Amei o comentário. Bjs mil. Tê